Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2010

Democracia de mirones

JOÃO CÉSAR DAS NEVES
DN2010.08.30
Portugal tem problemas sérios e profundos: crise económico-financeira, bloqueios na justiça, deficiências na saúde, falhas na educação. Como pode isso tudo ser resolvido no meio da praça pública, com uma multidão ululante a opinar, criticar, insul-tar? A sociedade mediática tem muitas vantagens e excelentes benefícios. Mas está a estrangular a democracia.
Imagine gerir uma empresa, uma casa de família ou até guiar um automóvel com chusmas de mirones a espreitar por cima do ombro e a dar palpites e remoques! O desastre estaria garantido. É precisamente esse o sistema que, em nome da suposta liberdade de informação, queremos que funcione no País.
A resolução de qualquer problema grave necessita de estudo, meditação, consultas. Exige negociações delicadas, tentativas controversas, compromissos ambíguos. Impõe tempo, diplomacia, delicadeza. Só assim se chega a algum resultado. Tudo isso é impossível satisfazendo a cada passo sondagens mensais, debates sema…

Um acaso

Público 2010-08-29 Vasco Pulido Valente Nasci, como já disse em outro sítio, em 21 de Novembro de 1941, quando o exército nazi estava a menos de 70 quilómetros de Moscovo e o que parecia (erradamente) a civilização do "iluminismo" parecia estar no seu último momento. Hitler perdeu Moscovo e, embora ele nessa altura não percebesse, foi ali que perdeu a guerra. Tive muita sorte. Não nasci por volta de 1920 (como o meu pai) na Alemanha, em França, em Itália, na Roménia, na Hungria, na Bulgária ou em Espanha. Devo a minha vida à irrelevância estratégica de Portugal e ao catolicismo ultramontano do dr. Salazar, que obedecia ao Papa e, como lhe mandavam, não gostava do Reich. Quem sabe destas coisas, sabe que a violência da II Grande Guerra, apesar da propaganda, nunca penetrou a sério em Portugal.

Parte da baixa classe média, pude aproveitar a educação dos liceus (primeiro do Camões, depois do Pedro Nunes), que não eram, como hoje se diz, "facilitadores". Bem ou mal, sa…

29 de Agosto - Martírio de S. João Baptista

Imagem
p Decepação de João Baptista 1640 Carel Fabritius Óleo sobre tela 149 cm x 121 cm Rijksmuseum Amsterdam

28 de Agosto - Santo Agostinho

Imagem
p Santo Agostinho ensinando em Roma Benozzo Gozzoli 1464-65 Fresco, 220 x 230 cm Capela de Santo Agostinho San Gimignano Itália

Um paradoxo do nosso Estado social: mais desigualdade

Público, 2010-08-27 José Manuel Fernandes O aumento das desigualdades nas últimas décadas deveria levar a questionar, e não a idolatrar, o Estado-Providência
Seja qual for o critério que apliquemos, ou o índice que preferirmos, "o período de maior crescimento e consolidação do Estado-Providência foi também o de mais forte crescimento da desigualdade de rendimento", como escreve Luciano Amaral em Economia Portuguesa, As Últimas Décadas, o pequeno mas fundamental livro recentemente editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. Se as políticas se medem pelos seus resultados e não pelas suas intenções, num país onde se gritasse menos e se pensasse mais aquela simples constatação impediria que se transformasse o nosso Estado social numa arma de arremesso político. Pela razão simples de que um Estado-Providência que falha num dos seus principais desígnios - o de fazer diminuir as desigualdades sociais - é, no mínimo, um Estado-Providência que merece ser questionado. E não apena…

27 de Agosto - Santa Mónica

Imagem
Morte de Santa Mónica Benozzo Gozzolli (1464-65) Frescos do abside da Capela de Santo Agostinho  San Gimignano Itália

A necessidade de um candidato

Público 2010-08-25 Abel Matos Santos É necessária uma candidatura alternativa no espaço do centro-direita, numa franja a que os media chamam "ala católica"
Desde que o actual Presidente Cavaco Silva assumiu funções, revelando uma conduta titubeante, cautelosa, medrosa até, que uma larga franja do eleitorado que o elegeu não lhe quer dar o voto em 2011.

Isto não seria problema, se tivesse aparecido uma alternativa à sua candidatura, coisa que ainda não aconteceu, deixando "órfãos" de candidato presidencial milhares de portugueses que se desiludiram com Cavaco e não se revêem na sua atitude passiva, de agradar a todos, abdicando dos princípios que diz defender, em prol de uma paz podre, que faz lembrar os piores tempos de Guterres, no seu desastrado Governo socialista.

Por isso muitos de nós, portugueses preocupados com o rumo que o país tomou e com o que de perigoso e estéril se avizinha, temos insistido na necessidade de uma candidatura alternativa no espaço do centro…

25 de Agosto - S. Luís, rei de França

Imagem
São Luis, Luís IX, rei de França Recueil des rois de France de Jean Du Tillet (séc. XVI) Bibliothèque Nationale de France.

24 de Agosto - S. Bartolomeu

Imagem
O Apóstolo S. Bartolomeu ca. 1480 Matteo di Giovanni Tempera sobre madeira, 80,5 x 48 cm Szépmûvészeti Múzeum, Budapeste
Também chamado Natanael, recebeu de Nosso Senhor Jesus Cristo um elogio magnífico: "Eis um verdadeiro israelita no qual não há fingimentoe" (Jo, 1,47). Já na ocasião em que o Apóstolo S. Filipe o apresentava ao Mestre, S. Bartolomeu reconheceu a realeza e a divindade de Jesus Cristo: "Mestre, tu és o Filho de Deus, és o Rei de Israel" (id., 1,49). Segundo a Tradição, S. Bartolomeu foi martirizado no Oriente, para onde levou o Evangelho.

O que fica

DN 2010-08-23
JOÃO CÉSAR DAS NEVES
O que fica?" Quais as coisas que permanecem na vida? Que valores se mantêm quando tudo o resto falha? Nesta pausa de Verão é conveniente aproveitar as férias para meditar sobre esta grande questão da existência. E encontramos uma boa resposta numa das despedidas mais marcantes do nosso tempo. Para compreender a importância desse momento é preciso recuar um pouco.
O professor Joseph Ratzinger tinha planeado uma vida pacata de académico e estudioso, projecto frustrado por dois papas. Primeiro Paulo VI elevou-o ao episcopado em Maio de 1977 e ao cardinalato menos de um mês depois. Em seguida João Paulo II levou-o para Roma em 1981, durante quase 24 anos. O seu mandato de "Grande Inquisidor" constitui o segundo mais longo de sempre, apenas ultrapassado pelo cardeal Francesco Barberini no século XVII e, devido à turbulência doutrinária pós-concíliar, o mais mais mediático de todos os tempos. Todo o mundo, que ignora a burocracia vaticana, sa…

Começou hoje o Meeting de Rimini

Começou hoje e prolonga-se até ao próximo sábado, a XXXIª edição do Meeting per l’Amicizia tra i Popoli em Rimini, Itália. Podem ver aqui o video promocional da edição do ano passado e aqui o programa deste ano, cujo tema central é "Aquela natureza que nos faz desejar coisas grandes é o coração"


Passe bem!

JN, 2010-08-22 Zita Seabra Não é certamente possível ter escolas e creches abertas e maternidades a funcionarem, se nascem cada vez menos crianças e Portugal tem uma das mais baixas taxas de natalidade da Europa. Nos últimos anos, todas as políticas dominantes foram no sentido de atacar a família, de a desestruturar e de dificultar que os casais tenham filhos. Na mesma semana da notícia do fecho das escolas, foi promulgada a lei das uniões de facto. Esta lei vem no seguimento de toda uma legislação concebida para considerar a instituição familiar - ou, como escreveram Marx e Engels, a «família patriarcal-burguesa» - algo de obsoleto. Senão, vejamos. O aborto passou a ser considerado um direito, o que teve como consequência imediata transformar-se num banal método anticoncepcional. Da legislação que existia em Portugal e que apenas pretendia evitar a prisão das mulheres que, perante um drama que por vezes acontece nas curvas da vida, partiu-se para esse caminho e os resultados estão à vi…

A OMS, a gripe A e Bento XVI

Público, 2010-08-22 Gonçalo Portocarrero de Almada Não faltou quem avançasse com rigorosíssimas profilaxias e chorudos negócios: vacinas, máscaras, desinfectantes, etc.
Foi há dias que, num informal encontro de umas três dezenas de amigos, algures no Norte, alguém inocentemente e com a maior seriedade brindou a assistência com a última novidade: a Organização Mundial da Saúde anunciou o fim da pandemia da gripe A! A reacção foi imediata e unânime: estalou a gargalhada geral, que não teria sido mais sonora, nem menos sincera, se essa conspícua entidade internacional tivesse decidido certificar o naufrágio do Titanic, o óbito de Napoleão ou a morte das vítimas do dilúvio universal.

No elevador de um hotel de Fátima, encontrei recentemente uma paradoxal advertência: "Em caso de incêndio, mantenha o sangue-frio"! Pois é, em tempos tão infelizmente incandescentes, a Organização Mundial da Saúde não conseguiu manter o sangue-frio. Pelos vistos, ainda fervilha em febris convulsões de…

22 de Agosto - Nossa Senhora Rainha

Imagem
Coroação da Virgem Velasquez (ca. 1645) Óleo sobre tela Museu do Prado Madrid

Vergonha

Público, 2010-08-20 Luís Campos e Cunha O poder, em sentido lato, é dominado crescentemente por pessoas que não sentem nem têm vergonha
Há muita gente com vergonha da falta de vergonha que por aí impera. A vergonha é um dissuasor de comportamentos sociais pouco éticos. A falta dela conduz ao "vale tudo", e cada um de nós fica a saber que a simples chamada de atenção pública para um problema não é suficiente. Ou seja, ficamos impotentes perante a falta de vergonha, pois não basta denunciar as situações.
Um dia, em Montargil, uma senhora pobre e de muita idade dizia-me que a sua família eram pessoas de muita vergonha. Foi-me dito há mais de um quarto de século e nunca mais ouvi tal expressão, que não conhecia mas também nunca esqueci. O que ela queria dizer é que, sendo pessoas de muita vergonha, eram pessoas honestas. É a expressão acabada da vergonha como dissuasor ético de quem vive em comunidade.
No passado recente, apenas há alguns anos, uma gafe ou apenas um pequeno escând…

20 de Agosto - S. Bernardo

Imagem
S. Bernardo e os seus monges Tríptico do Altar de Le Cellier 1509 Jean Bellegambe Óleo sobre madeira Painel lateral esquerdo (95.9 x 25.4 cm) The Friedsam Collection Metropolitan Museum of Art New York ----------------------------------------------------------- S. Bernardo de Claraval nasceu no seio de uma família nobre em Fontaine cerca de Dijon em 1090. Depois de ter frequentado a escola dos Cónegos regulares de Notre Dame de Saint-Vorles em Châtillon entrou no Verão de 1113, juntamente com os seus seis irmãos, o seu tio e alguns companheiros, aos quais demoveu a imitarem o seu exemplo, na recentemente fundada abadia de Cister. Em 1115 foi enviado como abade fundador para Claraval. Três anos mais tarde erigiu o seu primeiro mosteiro derivado de Claraval, em Troisfontaines, aquela que seria a primeira de uma série de cerca de 70 fundações sob a sua alçada directa, para não contar os cerca de 100 mosteiros que através de toda a Europa ainda no tempo de S. Bernardo haveriam de ficar associados …

18 de Agosto Santa Helena

Imagem
Santa Helena Basílica de S. Pedro Vaticano

16 de Agosto - S. Estevão da Hungria

Imagem
Estátua do rei S. Estevão da Hungria (969-1038) Budapeste, Hungria
---------------------------------------------------------------------------------------------------------
No final do primeiro milénio, a Europa foi invadida pelos bárbaros nómadeas vindos da Ásia, que acabaram dominados pelos reis da Alemanha e da França. As tribos magiares, como eram chamadas, instalaram-se na região da Panónia, actual Hungria e lá conheceram o cristianismo. A partir deste contacto, aos poucos, foram se convertendo e abraçaram a religião católica. O duque Gesa casando com uma princesa cristã, permitiu que os filhos fossem educados no seguimento de Cristo. O seu primogénito Vaik, que nascera em 969, ao completar dez  anos de idade, foi baptizado e recebeu o nome de Estevão. Nesta cerimónia, o futuro herdeiro do trono teve a felicidade de ver seu pai, convertido, recebendo o mesmo Sacramento. Mas o velho duque morreu sem conseguir o que mais desejava, unir seu povo numa única nação cristã. Este mérito fic…

Razões para celebrar

JOÃO CÉSAR DAS NEVES DN20100816 Aproxima-se o dia 5 de Outubro e torna-se urgente encontrar razões para celebrar o centenário da revolução. O país merece mais que uma comemoração vácua e farfalhuda ou, pior, um magno embuste. Existirá algum motivo sólido e razoável para fazermos a festa daqui a cinquenta dias? A justificação não pode vir dos próprios acontecimentos da data. Os factos e actos desse dia foram caricatos e lamentáveis, mais deprimentes que inspiradores. A Monarquia não caiu; limitou-se a não se levantar. A República portuguesa, a terceira mais antiga da Europa, nasceu por omissão. Quanto ao significado da mudança, é melhor nem falar. O País vivia havia décadas em triste podridão, justificando amplamente a extinção do regime. Os vencedores de Outubro conseguiram o impossível: tornar saudosa a anterior podre tristeza. Saltaram da frigideira para o fogo. Por muito que os esforços celebrativos o tentem esconder (e os republicanos nostálgicos são mestres em fraude, sobretudo histó…

Quando tudo arde

DN2010 ALBERTO GONÇALVES No ano passado, o mérito pela escassez de incêndios cabia ao Governo e não a um Verão particularmente fresquinho. Este ano, a culpa pela devastação em curso é do calor tórrido, dos criminosos, dos negligentes e do "aquecimento global": não é do Governo. Aparentemente, a acção preventiva da tutela reflecte-se nos sucessos, não nos fracassos.
Mistérios à parte, a verdade é que o País voltou a arder e as cabeças encarregadas de o pensar também. Com a frequência das chamas, fervilham ideias instantâneas sobre o modo ideal de impedir a calamidade. Em países normais, esse é o tipo de coisas que se discute antes de a calamidade acontecer. Aqui discute-se durante a dita, embora não se trate do típico "casa roubada, trancas na porta", não senhor: em Portugal, debate-se o tipo de tranca enquanto a casa está a ser roubada. Depois de consumado o roubo, a porta continua aberta.
As trancas, perdão, as medidas de prevenção sugeridas são inúmeras. A minha p…

15 de Agosto - Assunção de Nossa Senhora

Imagem
Assunção Lelio Orsi, Italiano, 1511–1589 19 x 22 cm Pena e tinta castanha em papel creme antigo Museum of Fine Arts, Boston

14 de Agosto de 1385 - Batalha de Aljubarrota

Imagem

14 de Agosto - S. Maximiliano Kolbe

Imagem
7.ª estação: Simão de Cirene ajuda Jesus a carregar a cruz
Estamos no campo de concentração de Auschwitz. Em Agosto de 1941 10 prisioneiors são escolhidos na parada para serem mortos. O prisioneiro n.º  6670 era Maximiliano Kolbe,  um franciscano. Não era um dos escolhidos mas voluntariou-se para morrer em vez de um dos condenados, pai de uma grande família. 
Em Praga, na igreja da Virgem Maria na área de Lhotka (http://lf.netservis.cz/), as estações da via sacra são invulgares: cada estação representa um episódio do sofrimento da humanidade ao longo da história. Trata-se de uma ideia original do padre Vladimir Rudolf, nos tempos difíceis que se seguiram ao esmagamento pelos tanques soviéticos da movimentação que ficou conhecida como a "Primavera de Praga". As esculturas foram feitas usando resina sintética pelo artista checo Karel Stadnik entre 1973 e 1975. A sétima estação faz memória do martírio de S. Maximiliano Kolbe. As outras treze estações podem ser vistas aqui.

Aconteceu o que tinha de acontecer: o país a arder

Público, 2010-08-14 José Manuel Fernandes O "milagre" dos últimos anos era enganador: bastou um Verão quente para regressarem os incêndios catastróficos
Depois de vários anos de estios relativamente amenos, com temperaturas baixas e chuva em Agosto, eis que voltámos à normalidade e ao drama dos incêndios de Verão. Depois de décadas a dizer e a escrever que o problema dos incêndios só se podia mitigar encarando de outra forma os espaços rurais e as florestas que temos, eis que regressámos à rotina das declarações diárias do ministro das polícias, enquanto o ministro da Agricultura quase não aparece. Parece que nunca aprendemos nada, ou pelo menos nunca aprendemos o suficiente.
É cedo para fazer qualquer balanço, mas a dimensão de fogos como os que lavraram na zona de São Pedro do Sul, na serra Amarela (Gerês) ou em Lamas de Olo (Alvão) mostra-nos como a abordagem dos últimos anos, ainda muito centrada no combate aos fogos depois de estes se desencadearem, é limitada. Pior: é dr…

A soldado desconhecida

FERREIRA FERNANDES DN 12 Agosto 2010 Josefa, 21 anos, a viver com a mãe. Estudante de Engenharia Biomédica, trabalhadora de supermercado em part-time e bombeira voluntária. Acumulava trabalhos e não cargos - e essa pode ser uma primeira explicação para a não conhecermos. Afinal, um jovem daqueles que frequentamos nas revistas de consultório, arranja forma de chamar os holofotes. Se é futebolista, pinta o cabelo de cores impossíveis; se é cantora, mostra o futebolista com quem namora; e se quer ser mesmo importante, é mandatário de juventude. Não entra é na cabeça de uma jovem dispersar-se em ninharias acumuladas: um curso no Porto, caixeirinha em Santa Maria da Feira e bombeira de Verão. Daí não a conhecermos, à Josefa. Chegava-lhe, talvez, que um colega mais experiente dissesse dela: "Ela era das poucas pessoas com que um gajo sabia que podia contar nas piores alturas." Enfim, 15 minutos de fama só se ocorresse um azar... Aconteceu: anteontem, Josefa morreu em Monte Mêda, Gon…

O mártir é "uma pessoa extremamente livre"

Pontífice pede o compromisso diário de crescer no amor a DeusROMA, quarta-feira, 11 de agosto de 2010 (ZENIT.org) – O mártir é “uma pessoa extremamente livre” – afirma Bento XVI – pois a graça de Deus não suprime a liberdade, mas a enriquece. O Papa falou sobre o martírio, “forma de amor total a Deus”, na audiência geral desta quarta-feira, realizada junto aos peregrinos reunidos em Castel Gandolfo. “Onde se funda o martírio? – perguntou primeiramente o Papa –. A resposta é simples: sobre a morte de Jesus, sobre seu sacrifício supremo de amor, consumado na Cruz para que pudéssemos ter a vida”. No martírio, opera “a lógica do grão de trigo, que morre para germinar e trazer a vida”. “O próprio Jesus é o “grão de trigo que veio de Deus, o grão divino, que se deixa cair na terra, que se deixa partir, quebrar na morte e, precisamente através disto, se abre e pode assim dar fruto na vastidão do mundo”. “O mártir segue o Senhor até o fim, aceitando livremente morrer pela salvação do mundo, em u…

11 de Agosto - Santa Clara

Imagem
A morte de Santa Clara Master of Heiligenkreuz 1400-10 Samuel H. Kress Collection The National Gallery of Art Washington

10 de Agosto - S. Lourenço

Imagem
S. Lourenço perante Valeriano Fra Angelico 1447-49 Capella Niccolina, Palazzi Pontifici, Vaticano

9 de Agosto - Santa Teresa Benedita da Cruz

Imagem

Precariedade persistente

DN20100809  JOÃO CÉSAR DAS NEVES
Precários nos querem, rebeldes nos terão." Esta frase, que há meses aparece nas nossas paredes, surpreende. Não se costumam ler por cá afirmações tão ameaçadoras. Noutros países, coisas destas são habituais, mas nós somos um povo pacato, sereno, que raramente se entrega a emoções agressivas. Nas tabernas e blogs dizem-se coisas até mais graves, mas desde os turbulentos tempos da revolução não surgem na praça pública. Antes de mais, a frase manifesta a gravidade do problema laboral. Não só o desemprego chegou ao máximo da história nacional, envolvendo quase 600 mil pessoas, mas, além dos 71 mil inactivos disponíveis que, desanimados na busca de emprego, não contam nas estatísticas, ainda há quase 900 mil trabalhadores sem contrato permanente. O total representa milhão e meio, 28% da população activa, que pretende emprego estável sem conseguir. O fenómeno da precariedade tem passado em Portugal por fases diferentes. Nos anos 1980 e 90 sofreu uma flutua…