quinta-feira, 31 de outubro de 2013

A importância do feriado do Dia de Todos-os-Santos

Cónego João Seabra considera que é preciso que a Igreja recupere o significado profundo deste Dia.
RR online 31-10-2013 2:57

O cónego João Seabra explica, na Renascença, o significado do Dia de Todos-os-Santos.
"O Dia de Todos-os-Santos fala do mistério que nós proclamamos no Credo, a comunhão dos santos, que é um mistério belíssimo da nossa fé. Cada um de nós quando entra na história da fé pela graça do baptismo não fica sozinho. A comunhão dos santos quer dizer, antes de mais nada, a comunhão com as coisas santas, mas quer dizer também a nossa unidade com as outras pessoas que acreditam em Deus", disse.
O pároco da Encarnação, no Chiado considera que é preciso que a Igreja recupere o significado profundo deste Dia de Todos-os-Santos e lamenta a recente ligação ao "Halloween", que nada tem a ver com Portugal.
O cónego João Seabra lembra que durante muitos anos os feriados eram os dias santos, "não havia outros".
O cónego João Seabra explica o que a Igreja fez em relação aos dois "feriados religiosos" suprimidos. No caso de 1 de Novembro, os católicos têm obrigação de ir á missa. E no caso de Lisboa, há missas das 7h da manhã às 22h.
O também autor do Livro "O estado e a Igreja", que sintetiza a sua tese de doutoramento sobre a "A Lei Portuguesa da Separação do Estado das Igrejas de 20 de Abril de 1911" considera um "desrespeito" o fim do feriado de todos os Santos. Diz-se mesmo "muito escandalizado" com esta decisão governamental.
No debate religioso desta semana na Edição da Noite, da Renascença, participaram também a jornalista vaticanista Aura Miguel e o juiz Vaz Patto.

Solenidade de Todos os Santos mantém-se dia de preceito

Como é do conhecimento de todos, a Santa Sé condescendeu com o pedido do Governo Português de suspender o feriado do dia 1 de Novembro. Esta suspensão afeta a celebração da Solenidade de Todos-os-Santos, pois, para esta solenidade, mesmo quando caia em dia útil de trabalho, mantem-se o preceito festivo, segundo o elenco do cân. 1246 §1.
Neste sentido, em carta dirigida pela Vigararia Geral do Patriarcado, foi solicitado aos párocos do Patriarcado de Lisboa que garantissem horários da celebração da Missa que possibilitem a participação de todos.
Informe-se junto da sua paróquia a fim de conhecer os horários propostos para a celebração da solenidade.

Departamento da Comunicação

Halloween and Catholicism

October 31, 2013
By Father Steve Grunow
http://www.ucatholic.com/blog/halloween-and-catholicism/
I always figured that Halloween had pagan roots, but you are telling me they are Catholic. Huh? How so?
The origin and traditional customs associated with Halloween require no other explanation than that they are examples of the kinds of festivity that served as a means of celebrating the various holy days of the Catholic Liturgical Year. This includes everything from masquerades, feasting, and the associations of a given day of the year with supernatural or spiritual truths.
I would draw a distinction between the violent, macabre imagery that characterizes the modern appropriation of Halloween as a kind of secular celebration and the more traditional customs that are characteristic of a Catholic cultural ethos. The descent of Halloween into the madness of an annual fright fest is a relatively recent development, but the true substance of Halloween belongs to the Church. Halloween (or "All Hallows Eve") is the festive precursor to the celebration of the Church's public commemoration of All Saints Day.
There has been an appropriation of the festivities of Halloween by modern pagans, but please understand that modern paganism is precisely modern and should be distinguished from the cults of ancient religions. The origins and practices of the modern paganism do not extend farther back than the late nineteenth century. Also, remember, the term "pagan" is a slippery one. What does it mean? The worship of the gods and goddesses from long ago? Those cults have long since passed away with the cultural matrix that once supported the world views that were the conditions for their possibility. You can't just reinvent those cults without the culture that supported them.
The paganism that exists today is a romantic and very selective attempt at a re-appropriation of an ancient religious ethos, but it isn't and cannot be the same thing that paganism was in its original cultural expressions. I think that the practitioners need to justify their beliefs by insisting on an association with what they are doing and ancient forms and styles of worship. This gives the impression that the modern pagan élan has more gravitas (especially in relation to Christianity) but it doesn't make it the same thing as the ancient cults. The association that modern paganism makes between itself and the forms and styles of ancient culture is more about desire than it is about reality.
I think that the association of Halloween with paganism has much more to do with the Protestant Reformation than anything else. The Protestant reformers were concerned about the practices of medieval Christianity that to them seemed contrary to what they believed the Church should be. They knew that these practices had clear precedents in the history of the Church, but insisted that they represented a corruption of the original form of Christianity that had become degraded over time. The degradation was explained as a regression into cultural forms that the Protestants described as pagan.
I realize popular religiosity is a complex phenomenon and the Church in Europe did intentionally assimilate many cultural practices that were more ancient than it's own practices, but it did so selectively and with a keen sense of discernment. The end result was not simply that a veneer of Christianity was placed on top of an ancient pagan ethos, but that a new cultural matrix was created, one that was Christian to its core. It is a gross mischaracterization and oversimplification to assert that you can just scratch the surface of medieval Christianity and what rises up is paganism.
And yet this perception endures in contemporary culture. You see it, for example, in works of fiction like Marion Zimmer Bradley's "The Mists of Avalon", which appropriates ideas from a lot of spurious, pseudo scholarship that permeated British intellectual culture throughout the nineteenth and early twentieth century. Unfortunately, this has become a standard and widely accepted narrative of how Europe became Christian. It is a modern myth born of the prejudices and propaganda of the Protestant reformation that mutated into the secular critique of Catholicism. As an ideological construct it represents the simultaneous fascination and aversion to Medieval culture in general and Catholicism in particular. The reality is far more complex and interesting.
Protestantism was and is proposing what its adherents believe to be an alternative to Catholicism. This means that Protestantism will distinguish itself from the forms and styles of religious life that preceded their own culture and that this culture will be presented as a purified form of Christian faith and practice. One argument that is advanced to justify Protestant distinctiveness is that the beliefs and practices of the Catholic Church are pagan.
Placing all this in an American cultural context, the United States set its cultural roots in forms of Protestantism that were keenly aware of the distinction between themselves and a Catholic Europe that they had rejected and whose influence they had hoped to leave behind. Remember, the Puritans left Protestant England for the New World because England wasn't Protestant enough! The Puritans detested the residual forms of Catholicism that they believed remained in the state church of England.
The arrival of Catholic immigrants to the shores of Protestant America was a source of great cultural consternation. The public festivals of the Catholic Faith were characterized as a corrupting and dangerous form of paganism. Halloween with all its carousing and shenanigans was especially problematic, as it represented the incursion of a specifically Catholic cultural form into a public life that was supposed to be Protestant. Everything associated with these Catholic festivities was caricatured as pagan and the association stuck with even the Catholics internalizing the critique and believing that their own customs were holdovers from paganism.
As a result, the distinctly Catholic nature of Halloween became more and more muted and it was Catholics pulling back from their own festival that gave rise to the contemporary version of Halloween. The goulish version of the festival that we have today is in many respects a result of Catholic accommodation to a Protestant culture. And in a another strange twist in the history of Halloween, most everything that the devout Protestant detests about Halloween have become all the more pronounced as a result of their protests.
What is the relation of Halloween to All Saints/All Souls? Which came first?
All Saints Day appears to have a more ancient genealogy than All Souls Day.
The practice of a festival day to honor the whole communion of Saints, rather than that just a single saint, seems to happen for the first time in the Catholic Church with the consecration of the Pantheon as a public place for the Church's worship. This happened in the year 609 (or 610) on May 13th. The Pantheon had been originally dedicated for the use of Roman religion as a place where all the gods would be honored. Boniface displaced the images of the gods from their shrines and gave the building over to the Saints of the Church, particularly the Martyrs. This was a kind of "in your face" to pagan culture. Boniface was saying that the old gods had been defeated and were defeated by the faith of the Church's Martyrs.
Also, May 13th was a day associated in Roman religion with what was called the festival of the Lemurs or ancestral spirits. It is likely that Boniface's choice of this day to claim the Pantheon for Christian worship was intentional and it was a way of saying that the Martyrs are the great ancestors of all the baptized and it is their memory and witness that is rightly honored on the day that Romans recalled their ancestors.
How we get from May 13th to November 1st is interesting. The festival of All Saints seems to emerge from the dedication of another Roman church that was consecrated by Pope Gregory III. The church is named St. Peter and all the Saints. It was a subsequent pope, Gregory IV, who extended the annual festival that commemorates this church dedication to the whole Church as All Saints Day. The extension of festivals specific to the Church of Rome is an part and parcel of how the Catholic Faith becomes the underlying cultural matrix from which a new kind of European civilization would emerge.
All Souls Day (celebrated November 2nd) seems to emerge with the growth and spread of monastic communities and the practice of commemorating deceased members of monasteries. This practice gained broad cultural traction and in time was extended to the whole Church.
Halloween is the precursor to All Saints Day and as such is kind of like what December 24th is to Christmas Day. Remember, the calendar of the Church is filled with festival days, all of which were once associated with great, public celebrations. A holy day of obligation has not always meant spending 45 minutes in church for Mass and then going back to work. Holy Days were times for a party and if you look at the Church's calendar, past and present, with this ethos in mind you will discover that the reasons for a party happened with great frequency..
I know that there are some Celtic or Germanic elements to the holiday that we've come to embrace as Halloween. Which traditions are Catholic and which are not?
The festival is not ethnic or nationalistic. It is Catholic. Certainly there were regional appropriations of the festivals of the Church, and Halloween was no exception, but bottom line these festal days belonged to the Church as a whole which meant pretty much all of Europe. You might have some customs that were specific to regions, but the festival itself is a distinctly Catholic practice.
There are some folks that have come to believe that there is some association of Halloween with a pagan festival called Samhain, but this is not really the case.
In terms of customs that are specific to Catholicism, it is all pretty much derivative from the kinds of stuff that you find in the public festivities of Catholic culture. In this regard Mardi Gras is probably the best point of reference. We think of Mardi Gras and its attendant festivities as specific to one day, but it used to be that that kind of festival environment occurred with great frequency throughout the Church's year. Think of all the customs associated with Halloween as a Mardi Gras before All Saints Day and I think you get a perspective in regards to all the excess and tomfoolery. The party was meant to culminate in Solemn Worship, after which one returned to the routine of life. Unfortunately, the Church has surrendered the party to the secular culture. It has happened with Halloween. It is happening with Christmas.
All this being said, you don't have to reach into the "Mists of Avalon" to discern the meaning of cultural practices that are associated with the Church that seem unfamiliar to us. The meaning is likely something that is much more straightforwardly Christian than you think— and likely a form and style of being a Christian that is distinctly Catholic.
What do you think of the trend of parents boycotting Halloween on account of it being evil? What would you say to them if they told you such? Not safety or healthy concerns keeping kids indoors, but abject opposition to something believed to be satanic or terrorizing?
I would say that those parents are acting like good Puritans.
There is a lot that is unsavory about the contemporary celebration of Halloween. What does the singular focus on violence, horror and death have to say about our culture? The traditional, Catholic Halloween placed these realities within the context of Christ's victory over sin, death and the devil. The current secularized version of the festival has no salvific content and has been loosed from its theological moorings. It looks very much like a festival of death for a culture of death and for that reason I can see why parents might be concerned.
But what is the proper response to a culture of death? To lock the Church behind closed doors or to let her out into the world? I think it is time for Catholics to accept the religious liberties that this culture claims to afford them and go public with their own festivals- and to do so dramatically and with a great deal of public fervor. What is holding us back? What are we afraid will happen? The reticence and fear that characterizes Catholics is costing the Church its unique culture and it is allowing the culture of death to flourish.
What does the Catechism have to say about Halloween?
The Catechism has a lot to say about the characteristics of heroic virtue and holiness of life that create the Church's saints. It also has a lot to say about Christ's victory over sin, death and the devil. These are the kinds of things that the festivities of Catholic Halloween should be celebrating with great gusto and panache.
One of the appealing elements of celebrating Halloween as a child, aside from the candy and costume stuff, is the spookiness factor — the thrill of being scared without any real risk. From a Catholic perspective, is that important? Is the experience of being fearful or having an awareness of evil an essential element for a Catholic kid to learn?
I think that all cultures employ cautionary tales which are replete with supernatural imagery and use this imagery as a means of teaching boundaries and inculcating a sense that there are dangerous people and situations that they could encounter and should be wary of. Further, I think that stories told to a group will have the ability to evoke a shared emotional experience and as such bond the community together. It is not only Christian cultures that will employ a narrative, even a frightening one, to communicate their worldview and impart values.
I do think that Catholics need to learn from an early age to look at the world realistically and without the blurring lenses of sentimentality. The world is fallen and finite. People will hurt one another. We are sinners. But this darkness is illuminated by the light of God's revelation in Christ that makes the deepest truth of what it means to be human available to us in the Incarnation and Paschal Mystery of the Lord Jesus. Yes, look honestly at sin and death. Know about the lure and deceptions of fallen, spiritual powers. Realize that greater than all the fallen powers of heaven and earth is the power of God in Christ, which is a love that is stronger than sin, death and the devil. It is this divine power that is given to the believer in a personal way through Jesus Christ. He is victorious over everything that we are afraid of. His love is stronger than death. The power of his divine life dispels evil. Even as we gaze into the shadows we see his light.
I read somewhere that Halloween is seen as the day when the veil between heaven and earth and purgatory is thinnest, hence the presence of souls. That seems like some seriously "new agey" stuff. Is this a Catholic thing or is that where Wiccans and imaginative Hollywood types step in?
I don't know precisely the metaphysical precedents that one would use to justify the belief that there are on specific days thicker and thinner veils between the natural and supernatural realms. It seems esoteric and speculative.
I do think that the reality that such a perspective represents has great power as a narrative that explains for some folks how they think that the natural and the supernatural interact with one another. Is it true? I don't know how one would adjudicate such a claim definitively. As such, it remains a supposition or a possibility.
The Catholic Faith describes natural and supernatural realities existing in a relationship of communion or co-inherence that is called sacramental. This means that because of the Incarnation of God in Christ, natural realities can express supernatural realities. Physical realities can truly be bearers of divine grace.
The divine grace that is revealed in the Church's commemoration of Halloween should be our participation in what is called the Communion of Saints. This Communion of Saints means that this world is not all that there is and that those who have passed through the experience of death continue to love us, care for us and even through God's permissive will, can interact with us. It also means that that the Christian can hope that God's power in Christ to save and redeem extends beyond this world to the next and as such we can hope that few of us will be lost causes. The festivities of Halloween should affirm that these beliefs about the Communion of Saints are real and are also the deepest reality of what this world has become because of the revelation of God in Christ.

Father Steve Grunow is a priest of the Archdiocese of Chicago and the Chief Executive Officer of Word on Fire Catholic Ministries
Reprinted with permission from Word On Fire All rights reserved.

Pão por Deus ou Halloween?

Em véspera de Todos-os-Santos, (All Hallows Eve, de onde derivou Halloween) vale a pena pensar no modo como educamos as nossas crianças, cedendo à globalização dos costumes e perdendo em troca a função educativa das nossas tradições.
Em Pão por Deus ficamos a saber a história desta antiga tradição portuguesa que nalgumas paróquias foi retomada com um novo e solidário significado.
Nos Açores, o bispo de Angra do Heroísmo, preocupado com a circunstância do dia de Todos os Santos, sendo dia de preceito, não ser dia feriado, apela a que se mantenha esta tradição
Recordo, a propósito posts antigos do Povo onde se reflecte sobre esta descristianização subtil e aparentemente inocente em que vamos caindo, substituindo hábitos cristãos por folias pagãs:

Europa trocou crucifixos por abóboras Cardeal Tarcísio Bertone
Halloween Aura Miguel
Noite das bruxas Aura Miguel
Últimos dias para:
Assinar a iniciativa europeia de cidadãos: One of us
___________________
___________________
Afinal sempre saiu o Guião para a Reforma do Estado
________________________
Meter a colher João Miguel Tavares
___________________
Quase a chegar ao fim da campanha de angariação de subscritores esta iniciativa de cidadãos europeus já reuniu mais de milhão e meio de assinaturas. Em Portugal o nº de assinaturas conseguidas foi 3 x mais do que o estipulado inicialmente (e ainda faltam dois dias)
Neste Natal... proposta para as suas compras de Natal!

Halloween

Os motores da poderosa máquina comercial aí estão, de vento em popa! Quem quiser, ainda vai a tempo de se mascarar.

Aura Miguel RR on-line 30-10-2013

De olhos postos nesta sexta-feira, é vê-los a pedir aos pais os objectos mais incríveis, para se vestirem de bruxas, vampiros, monstros e seres medonhos, de preferência com sangue e marcas de crimes. O que está a dar mesmo é exaltar o medo, o terror, as almas penadas e todo o universo de criaturas tenebrosas. Mas esta opção pelos símbolos do mal e da morte não atinge apenas os mais novos. Veja-se a quantidade de jovens e adultos que se pintam e transformam em zombies – ou lá o que é – para, supostamente, se divertiram na "noite das bruxas". Qual noite?
Segundo a lenda pagã dos celtas, é a noite do Jack O'Lantern, que ofereceu a alma ao diabo e cuja alma penada fica reduzida à famosa abóbora vazia iluminada por dentro. Mas é também – desde sempre e ainda hoje - uma noite importante para rituais satânicos, encontros esotéricos e sessões com druidas e magos.
Os primeiros cristãos substituíram-na pelo culto de todos os santos – como, aliás, sugere a tradução original da palavra "Halloween" (all hallows eve – véspera de todos os santos). Originariamente, esta solenidade celebrava-se a 13 de Maio, mas o Papa Gregório IV, no ano 834, deslocou a festa de todos os santos para 1 de Novembro (com vésperas litúrgicas dia 31 de Outubro), exactamente para erradicar superstições e ocultismos pagãos ligados a esta data. 
A tradição cristã convida pois os seus fiéis a celebrar os santos e aponta-os como modelos de vida. É que os santos recusaram as trevas e optaram pela luz e pela verdade; são homens e mulheres de todas as idades e origens que não se deixam reduzir a abóboras vazias nem a cabos de vassoura.

Meter a colher

João Miguel Tavares, Público, 31/10/2013

A distinção entre espaço público e espaço privado é um conceito fundamental da modernidade, e está fora de causa um jornal de referência invadir a privacidade de quem não a deseja mostrar. Mas o PÚBLICO, ao optar, até ao momento em que escrevo, por não noticiar o caso Bárbara Guimarães/Manuel Maria Carrilho, está a fazer uma outra coisa, que me parece criticável - manter como privado aquilo que os envolvidos decidiram tornar público. Ora, há uma diferença significativa entre ir espreitar pelo buraco da fechadura, como é próprio dos tablóides, e tapar os olhos com as mãos porque se considera que o espectáculo é indigno, como o PÚBLICO está a fazer. Esta atitude, embora cheia de boas intenções e justificada por nobres motivos éticos e jornalísticos, acaba por ser uma forma indirecta de paternalismo, particularmente discutível quando aquilo que está em causa é uma denúncia de violência doméstica, a que se seguiu um ataque descabelado de Manuel Maria Carrilho à mãe e aos avós dos seus dois filhos mais novos.
Repito, para que não fiquem quaisquer dúvidas sobre isto: ainda que uma figura pública retire benefícios do seu estatuto - desde logo, reconhecimento, que se traduz em prestígio e em dinheiro -, tal não significa que tenhamos o direito de exigir em troca a eliminação da sua privacidade. Isso seria expropriar um cidadão do direito à intimidade, valor sagrado em qualquer democracia, tanto para anónimos como para famosos. Contudo, quando é a própria figura pública a optar por expor a sua privacidade, ainda que da forma mais crua e pelos piores motivos, nós não devemos eximir-nos de efectuar um escrutínio público (e, já agora, moral, essa palavra que assusta tantos filósofos da pós-modernidade) das suas acções, até porque tais acções são amplificadas precisamente por se ser uma figura pública.
A opção pela não-notícia, nesse sentido, acaba paradoxalmente por ser uma opção muito pouco neutra, porque ela opta pelo silenciamento num caso em que se exige a denúncia de um comportamento a todos os títulos inadmissível. Não noticiar é condescender, é dar corpo à velha máxima "entre marido e mulher não se mete a colher". Ora, como me parece óbvio, há casos, como este, em que se tem a obrigação de meter a colher - não porque se saiba que Bárbara Guimarães foi efectivamente vítima de violência doméstica (o que existe neste momento é uma queixa), mas porque se sabe que Manuel Maria Carrilho, enquanto marido mas sobretudo enquanto pai, ultrapassou todos os limites do civismo e da decência nas sucessivas declarações que proferiu à comunicação social.
Reduzir o que se está a passar a simples voyeurismo das massas é, por isso, uma falácia. Em primeiro lugar, porque a questão da violência doméstica é um problema gravíssimo em Portugal, que está longe de ter a atenção que merece, e que temos a obrigação de levar sempre a sério - e investigar - quando é denunciado. Em segundo lugar, porque um jornal de referência não é só feito de páginas de política e de economia, e quando um caso de vida se impõe com tanta força como este, ignorar não é uma opção. Pelo contrário: ignorar pode ser considerado uma forma, ainda que involuntária, de indiferença. Ora, nem toda a gente que pára diante de um acidente é um mirone. Há quem queria apenas ajudar. E ajudar a compreender o que acontece, e a denunciar aquilo que está mal, é a mais nobre das tarefas de um jornal de referência. Como o PÚBLICO se orgulha, justamente, de ser.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Guião da Reforma do Estado - Um Estado Melhor

20131030 guiao reforma estado.pdf by papinto

Escutar o absoluto no ano da fé - O homem e o seu destino - 1 de Novembro


Açores: Bispo quer preservar «Pão por Deus»

Nota pastoral destaca importância do dia de Todos os Santos, a 1 de novembro, que deixou de ser feriado civil

Angra do Heroísmo, Açores, 21 out 2013 (Ecclesia) – O bispo de Angra, nos Açores, escreveu uma nota pastoral a respeito da celebração do dia de Todos os Santos, que deixou de ser feriado civil, apelando à cooperação das escolas para manter tradição do 'Pão por Deus'.
"Como é um dia normal de trabalho isso vai dificultar a manutenção da linda tradição que é o Pão por Deus", refere D. António de Sousa Braga, numa mensagem divulgada pela página da diocese na internet.
O prelado açoriano convida todas as paróquias para, "em diálogo com as escolas", não deixarem morrer esta tradição.
"Nada impede que essa tradição, muito sentida e vivida nos Açores, passe para o domingo seguinte. É só experimentar", acrescenta.
A Igreja celebra anualmente a solenidade litúrgica de Todos os Santos, na qual lembra conjuntamente "os eleitos que se encontram na glória de Deus", tenham ou não sido canonizados oficialmente, como refere a Enciclopédia Católica Popular.
As Igrejas do Oriente foram as primeiras (século IV) a promover uma celebração conjunta de todos os santos quer no contexto feliz do tempo pascal, quer na semana a seguir.
No Ocidente, foi o Papa Bonifácio IV a introduzir uma celebração semelhante em 13 de maio de 610, quando dedicou à Santíssima Virgem e a todos os mártires o Panteão de Roma, dedicação que passou a ser comemorada todos os anos.
A data de 1 de novembro foi adotada em primeiro lugar na Inglaterra do século VIII acabando por se generalizar progressivamente no império de Carlos Magno, tornando-se obrigatória no reino dos Francos no tempo de Luís, o Pio (835), provavelmente a pedido do Papa Gregório IV (790-844).
Segundo a tradição, em Portugal, no dia de Todos os Santos, as crianças saíam à rua e juntavam-se em pequenos grupos para pedir o 'Pão por Deus' de porta em porta: recitavam versos e recebiam como oferenda pão, broas, bolos, romãs e frutos secos, nozes, amêndoas ou castanhas, que colocavam dentro dos seus sacos de pano; nalgumas aldeias chama-se a este dia o 'Dia dos Bolinhos'.
O feriado de Todos os Santos é um dos quatros que foi eliminado em Portugal, como resultado do "entendimento excecional" entre a Santa Sé e o Governo português.
A eliminação dos feriados de Corpo de Deus, de 5 de outubro, de 1 de novembro e de 1 de dezembro, resultante da alteração efetuada ao Código do Trabalho, produz efeitos desde 1 de janeiro e será obrigatoriamente objeto de reavaliação "num período não superior a cinco anos", segundo o mesmo código.

O futuro já não é o que era!

O problema do nosso tempo é que o futuro não é o que costumava ser

Paul Valéry 1871-1945
Poeta francês

A lição de Filosofia de Manuel Maria Carrilho

Henrique Monteiro
Expresso, Quarta feira, 30 de outubro de 2013

Várias gerações, sobretudo depois de o positivismo do séc. XIX se ter afirmado no campo do pensamento, entenderam que a educação, a ciência, a cultura e o conhecimento em geral tornariam as pessoas e as sociedades melhores. A cada conquista educacional, mais uma luz brilharia sobre as trevas. O mal não era algo em si mesmo, como de certa forma defendera Santo Agostinho, mas a consequência da rarefação do bem.
Mais tarde, sobretudo com a II Guerra Mundial, os trabalhos de Hannah Arendt e romances como o de Primo Levi ('Se Isto é um homem') colocaram o mal noutro domínio. Haveria nele uma banalidade, uma possibilidade aberta a qualquer homem. Recentemente, as teorias sobre a convicção, em que trabalhou afincadamente talvez o melhor filósofo português dos últimos 50 anos e precocemente falecido Fernando Gil (irmão do também filósofo José Gil), voltaram a recentrar a questão: por que motivo duas pessoas com a mesma formação e a mesma vivência geram convicções e comportamentos diferentes? Fernando Gil, com quem tive o privilégio de privar, por via do também já falecido comum amigo José Gabriel Viegas (que foi crítico literário no Expresso), fazia-nos e fazia-se várias vezes esta pergunta. O seu livro a 'A Convicção' (de 2000, infelizmente mais conhecido em França) ensaia também respostas a esta pergunta.
Ora Manuel Maria Carrilho é filósofo, tendo sido aliás colega de Fernando Gil como professor na Universidade Nova e ultimamente adversários no campo das ideias. Carrilho também é doutorado em Filosofia, e como Gil também está traduzido em francês. Vem de famílias com conhecimentos e rendimentos elevados (o seu pai foi Governador Civil de Viseu e Presidente da Câmara da cidade). É um favorecido. Conhece o bem e o mal, há muito que deveria estar num estado civilizacional avançado. E, no entanto, as coisas que vai dizendo da sua ex-mulher Bárbara Guimarães (independentemente das razões que possam assistir a qualquer dos lados) são próprias de um primitivo ignaro. São lamentáveis.
Qualquer casal desavindo tem os seus exageros, mas ninguém tem o direito de arrastar publicamente o nome do outro (dos pais do outro - avós de seus próprios filhos) pela lama. Ninguém tem o direito de dizer o que ele disse sobre a vida íntima da ex-mulher. E ele, filósofo, ex-deputado, ex-ministro da Cultura, ex-embaixador, sabe bem a distinção entre o bem e o mal. Opta pelo mal, provando que este também é banal, demonstrando que existe a possibilidade de ele se inscrever em pessoas por mais demãos de camadas de verniz tenham em cima. A lição de Filosofia de Carrilho é que os nossos antepassados podem estar errados. Podem não bastar a civilização e o conhecimento para um homem (ou uma sociedade) praticar o bem.
Cada ser tem as suas possibilidades abertas e o livre arbítrio de escolher um caminho. O caminho de Carrilho, mais do que condenável é lastimoso. Apenas merece aquela compaixão devida aos que já estão condenados por crimes graves.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Frase do dia

O mal não é radical, apenas extremo. Só o bem pode ser profundo e radical
Hannah Arendt

Deus, questão para crentes e não crentes

José Tolentino Mendonça
Agência Ecclesia, 2013-10-29

Aquela palavra de São João, "a Deus nunca ninguém O viu" (1 Jo 4,12), trazemo-la como uma ferida. Nenhum de nós viu a Deus. E contudo a Sua presença, o Seu Amor, dá sentido às nossas vidas. Este paradoxo, que constitui ao mesmo tempo uma fonte de esperança, não deixa de ser um espinho. A maior parte do tempo, experimentamos apenas o desencontro de Deus, o Seu extenso silêncio. Buscamos a Deus sem O ver, acreditamos Nele sem O experimentar, escutamos a Sua voz sem verdadeiramente O ouvir. Tateamos o Seu rosto na ausência e no silêncio. E contudo, ausência e silêncio são lugares que misteriosamente insinuam uma presença. No filme "Nostalgia" de André Tarkovski, há uma cena lancinante onde se vê um grupo humano que anda desencontrado, uma multidão que se move de um lado para o outro, numa demanda labiríntica. Ouve-se então uma voz, a voz de um narrador que rompe o silêncio com este grito: "mas diz alguma coisa Senhor, diz-lhes uma palavra, eles andam à procura, não vês que têm o desejo de Ti?". A voz de Deus faz-se ouvir com esta resposta: "E se Eu disser uma palavra, achas que eles conseguem entender?" É, no fundo, este o drama, o drama do silêncio de Deus. A dificuldade de fazer convergir finito e infinito, Graça e liberdade, provisório e definitivo, o presente e o futuro.  
Porém, sabemos que o silêncio ainda não é Deus. O silêncio é lugar de luta, de procura e espera. Aos poucos vamos aderindo à possibilidade de dar espaço, de abrir a nossa vida ao Outro, deixando que a revelação do Outro nos habite. Somos em grande medida habitados pela possibilidade de Deus. Nesse sentido, a fé tem a forma de uma hipótese. A fé é expectativa. A fé vive do combate, pois nada nunca está feito, nada nunca está acabado, nada é completamente conhecido. Caminhamos às apalpadelas, como se víssemos o invisível, segundo a bela formulação da Carta aos Hebreus (Heb 11,7). A vizinhança de Deus da nossa história não anula a dimensão agónica e interrogativa da existência. O viver do crente está a fazer-se, a construir-se, é sempre inacabado, é sempre um lugar de turbulência, de agitação, de luta. E foi assim já a vida do próprio Jesus.

As famílias seguram Portugal

Henrique Raposo
Expresso,  Terça feira, 29 de outubro de 2013 
Durante os anos 80 e 90, o Vale do Ave foi vítima do anedotário queirosiano, essa mania que recusa ver indícios de progresso e prosperidade em Portugal, esse preconceito muito sofisticado, ora essa, que recusa ver um empresário europeu no rosto de um industrial português.  Como dizia há dias Daniel Deusdado no Jornal de Notícias, o Vale do Ave servia de galeria de tiro para as piadolas sobre Ferraris de empresários burgessos, patos bravos do têxtil, gente sem visão. Mas, passados duas décadas, quem é que está a segurar as exportações? Quem é que está a manter o país à tona? Os empresários do Norte, Vale do Ave incluído, empresas familiares como a Riopele, produtora de tecidos para a alta costura.
Há vinte anos, além das piadolas sobre Ferraris, a nossa indústria foi varrida por uma moda de gestão que exigia a desindustrialização. Manter fábricas era coisa de pobre, de azeiteiro. Controlando apenas o design das marcas, os países europeus deviam deslocalizar a produção inteira para as mãos baratas de chineses e afins. À nossa espera estava uma utopia sem trabalho, sem gente encardida à volta de parafusos e teares. Bastava o turismo e os serviços, actividades de indivíduos lavadinhos, sem uma grama de pó ou óleo. Mas José Alexandre Oliveira, patrão da Riopele, rejeitou este mantra e manteve a sua produção em Pousada de Saramagos, 900 operários em 170 mil metros quadrados. Uma decisão marcada pelos 85 anos de controlo da família sobre a empresa. E, verdade seja dita, esta condição familiar revelou mais sabedoria  do que aqueles tomos de gestão escritos por jovens imberbes acabadinhos de sair das faculdades, mancebos que nunca geriram ninguém, que nunca criaram nada.
Se o adn familiar das nossas empresas pode ser um factor de irracionalidade (como despedir a Dona Amélia que trabalha há décadas na empresa e que trata por menino o filho do dono?), também pode ser uma vantagem nos produtos que impliquem um ar artesanal, arts and crafts, gourmet e não sei quê.  Como diz José Alexandre Oliveira, "os japoneses chegam aqui e certificam a empresa com os olhos. A nossa imagem é mais valorizada lá fora do que cá". Esta qualidade made in Portugal, a milhas das confecções deslocalizadas, permite à Riopele a conquista de novos mercados como o Japão e a fidelização dos clientes do costume, estaminés sem importância como Armani, Hugo Boss, Prada, Valentino. Em simultâneo, outra característica familiar e portuguesa, o desenrascanço, dá às empresas como a Riopele uma capacidade única de adaptação às necessidades voláteis dos clientes. Os portugueses conseguem fazer encomendas à medida melhor do que ninguém. Neste momento, a Riopele e outras fábricas têxteis até conseguem roubar clientes aos italianos. Quem diria que o desenrascanço seria um factor de competitividade?

Os quatro âmbitos do amor

Podemos apontar quatro âmbitos no universo do amor, que são outros tantos desafios. O primeiro âmbito é o da aceitação. A aceitação é universal e tem que ser dada a todos. É neste âmbito do amor que mais tipicamente se fala da caridade. É o estar aberto a todos, a receber de todos e a dar a todos. A aceitação é universal e benevolente, e é o primeiro grau porque abrange todos, amigos e inimigos. Embora sendo o primeiro âmbito de amor não é o menor, não deixa ninguém de fora.

O segundo âmbito do amor é o da amizade, o do afecto mútuo, que implica uma escolha íntima entre pessoas que se conhecem pelo nome próprio. Neste sentido, nós não podemos ser amigos de todos, o amor de amizade é entre poucos. Mas Deus sim, Ele pode ser "amigo" diferenciado de todos e de cada um, escolhe e ama cada um como se fosse único. O que o Pai diz de Jesus pode aplicar-se a cada um: "Este é o meu Filho muito amado", que por vezes se traduz por: "Este é o meu eleito". Nesta dimensão do amor ressalta uma característica, cada um dos amigos mantém a sua liberdade.

O terceiro âmbito do amor é quando aquela amizade se restringe ainda mais, acontece que se começa a ser "mais do que amigos". Nasce um compromisso, que já começa a exigir um dom e uma recepção total, é o amor conjugal. Esse âmbito só é possível entre dois, um homem e uma mulher, e caracteriza-se por essa intimidade de exclusividade e complemento em que cada um compromete, livremente, a sua liberdade. Esse amor na perspectiva católica é sacramento de Deus e do seu amor por nós. A entrega total é entre dois, mas é fecunda, aberta a outros que se geram.

O quarto âmbito do amor é aquele que só é possível para com Deus, para com o Absoluto: a Adoração, o adorar. Se a amizade é entre poucos e o amor conjugal entre dois, a adoração é para um outro absoluto. Porque a adoração é o amor de entrega exclusiva e totalizante, que só pode ser feita a Deus. Só Deus é adorável, é a rendição completa. Ad-orar, significa pôr lá a boca e respirar do respiro do Outro!

ONDE HÁ CRISE, HÁ ESPERANÇA
Um pensamento por dia: ver em tudo o que acontece uma oportunidade de crescimento
Vasco P. Magalhães, sj

Gourmets da austeridade

João Miguel Tavares 
Público, 29/10/2013 - 00:00

Numa das últimas edições do Governo Sombra, o Ricardo Araújo Pereira decidiu chamar-me "gourmet da austeridade" após um dos meus infindáveis lamentos sobre o facto de muita da austeridade que o Governo tem vindo a impor ao país não ser a austeridade de que o país precisa. Argumentava eu - pela enésima vez - que aquilo que deveríamos estar a discutir no espaço público não era a existência ou inexistência de austeridade, porque alguma espécie de austeridade seria sempre inevitável, mas sim que tipo de austeridade deveríamos estar a aplicar em Portugal.
Daí a expressão "gourmet da austeridade", que dita pelo Ricardo não tinha, obviamente, qualquer intuito elogioso, mas que eu tomo desde então como encómio. É isso mesmo que todos nós, enquanto cidadãos responsáveis, deveríamos ambicionar ser - gourmets da austeridade, para podermos desenvolver um paladar politicamente sofisticado e sabermos a diferença entre aquilo que devemos engolir, porque não temos outro remédio, e aquilo que deveremos mandar devolver para a cozinha, por manifesta incompetência do chef.
Mas é esta a atitude que encontramos no espaço público? É isto que está a ser discutido? Será que estamos todos a debater qual o melhor prato que conseguimos cozinhar dentro dos limitadíssimos ingredientes que temos à disposição? Claro que não. É como se Portugal inteiro tivesse sido obrigado a entrar num restaurante vegetariano, porque o dinheiro já não dava para mais, mas um grupo significativo (e bastante barulhento) de gente continuasse insistentemente a pedir bife de vaca com batatas fritas e ovo a cavalo.
Quando o movimento Que Se Lixe a Troika resolve organizar uma manifestação para 26 de Outubro que se salda num enorme fracasso, tal como já havia fracassado a manifestação da CGTP em Alcântara, a reacção dos organizadores e de outros resistentes às políticas do Governo passa por culpar o desânimo, o conformismo, a falta de mobilização, a deficiente comunicação, a lamentável cultura cívica, tudo e mais alguma coisa - tudo, excepto a estratégia política dos organizadores. Então o povo não se indigna com mais uma dose cavalar de austeridade? Como é possível? Eu diria que é possível porque o povo, embora esteja descontente e frustrado, já percebeu, ao contrário dos profissionais do protesto, que só há tofu. Não há bife do lombo. E, portanto, quem lhes continua a prometer um futuro de bifes à Café de São Bento, acaso fossem outras as políticas e diferente o rumo do país, esbarra no simples facto de as pessoas já não acreditarem em histórias da carochinha.
Só que nós chegámos a um ponto em que não nos podemos conformar com a inexistência de uma base mínima para a discussão. O país precisa desesperadamente que os vários actores políticos concordem quanto ao problema, para depois poderem discordar quanto às soluções. E nós não temos isso. Enquanto as alternativas políticas forem "austeridade versus crescimento" em vez de "austeridade x versus austeridade y", nós não sairemos de um debate primário e irrealista. É difícil ser gourmet da austeridade quando tanta gente no espaço público recusa pura e simplesmente que a austeridade lhes seja servida. Isto prejudica todos. Prejudica a esquerda porque parece lunática. E prejudica a direita porque passa mais a tempo a dizer que a esquerda é lunática do que a avaliar as consequências das suas acções. Precisávamos de gourmets - e só nos saem ou rapa-tachos ou enfarta-brutos.

O respeito institucional só se exige a alguns

Alexandre Homem Cristo
Ionline, 2013-10-28

A percepção que a maioria dos portugueses partilha acerca do governo não pode servir de alibi para os críticos ultrapassarem os limites do debate democrático

A separação de poderes e o respeito pela autonomia das instituições são dois dos pilares do regime democrático. Não são os únicos existentes, mas nestes tempos conturbados parecem ser os únicos que interessam à esquerda parlamentar, que os utiliza para sacralizar os acórdãos do Tribunal Constitucional (TC) e censurar as alegadas pressões do governo sobre os juízes do TC. A palavra é mesmo essa - sacralizar, divinizar a palavra do TC e, portanto, torná-la incontestável. Todo esse exercício retórico sustenta-se num equívoco conceptual e fácil de esclarecer: criticar uma decisão não é o mesmo do que contestar a sua legitimidade e a sua validade. E se muitos (governo, constitucionalistas e especialistas de direita e de esquerda) têm criticado as decisões dos juízes do TC, a sua legitimidade nunca foi posta em causa porque, até hoje, o governo cumpriu à risca as decisões dos juízes.
Se isto não é assunto novo, saliente-se a flexibilidade hipócrita com que se aplica este exercício argumentativo. Se o governo discorda de um acórdão do TC, mesmo cumprindo-o integralmente, a oposição acusa-o de blasfemar, assim desrespeitando a autonomia dos juízes do palácio Ratton. Mas se uma decisão dos mesmos juízes for criticada pelos deputados do Bloco de Esquerda, como aconteceu no caso da limitação dos mandatos autárquicos, já não é blasfémia - é apenas uma crítica construtiva.
Esta flexibilidade interpretativa é particularmente visível se alargarmos o espectro do respeito institucional a outras instituições do regime. Dois exemplos recentes. O mais grave, de Isabel Moreira, deputada à Assembleia da República pelo PS, que acusou o Presidente da República de traição. O outro, mais habitual, de Mário Soares que, na linha de intervenções públicas passadas, qualificou o governo de "bando de delinquentes". Em nenhum dos casos, as declarações geraram indignação ou foram analisadas sob a lupa do desrespeito institucional. Sobretudo no caso de Isabel Moreira, sublinhe-se, em que a acusação em causa não é uma coisa pequena. Ninguém se comoveu.
Não importa agora discutir se as decisões dos juízes do TC são acertadas ou se Isabel Moreira tem alguma razão nas críticas que faz a Cavaco (no sentido de pretender que o Presidente da República peça a fiscalização preventiva do Orçamento de Estado para 2014). O que interessa é reflectir sobre se não se estará a ultrapassar uma fronteira perigosa. É que as regras institucionais, numa democracia, não são apenas regras de civilidade. São o que permite que o debate político aconteça no seu enquadramento próprio, e nunca no domínio da moral. Isto é, o garante que a identificação dos adversários políticos surge pelas ideias e não pelo ódio. E que a validade do que é dito não depende apenas de quem o disse.
A percepção que, hoje, a maioria dos portugueses partilha acerca do governo ou da Presidência não pode, portanto, servir de alibi para que os críticos ultrapassem os limites do debate democrático. Se agora o permitirmos, em nome de pequenos interesses políticos, enfraqueceremos um pilar democrático. E amanhã, depois da crise e com outro governo, será essa a herança que deixaremos: um regime enfraquecido por nós próprios.

desenrascanço

de·sen·ras·can·ço

(desenrascar + -anço)
substantivo masculino
[Informal]  Capacidade de solucionar problemas ou resolver dificuldades rapidamente e sem grandes meios.

"desenrascanço", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/desenrascan%C3%A7o [consultado em 30-10-2013].

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

O poder de Sócrates

Sol, 28 de Outubro, 2013
José António Saraiva

Não sou nem nunca fui adepto de teorias da conspiração. Em 99% dos casos não passam de fantasias delirantes. Por isso, o leitor não inclua por favor a história que vou contar nessa categoria.

Quando o Governo nacionalizou o BPN, os accionistas da sociedade, por intermédio de Miguel Cadilhe (que não é propriamente uma pessoa sem credibilidade), tinham acabado de apresentar uma proposta de viabilização do banco.
O Governo recusou-a e partiu para a nacionalização, com o argumento de estar a defender as poupanças dos pequenos depositantes.
Sabe-se no que aquilo deu.
Assim, não é correcto atirar todas as culpas para os accionistas.
Estes propuseram-se salvar o banco, o Governo é que não os deixou.
Claro que podiam não o ter conseguido.
Mas, aí, a responsabilidade seria deles – e o Estado não se teria metido naquela alhada.
Recorde-se que, na altura em que o BPN foi nacionalizado, o Governo controlava a CGD (que é pública) e já dominava o BCP, através de Santos Ferreira e Armando Vara, ambos socialistas e próximos de Sócrates, que tinham vindo da Caixa para ali.
Simultaneamente, Sócrates mantinha óptimas relações com o BES, dada a sua conhecida boa relação com Ricardo Salgado, que sempre o defendeu (quebrando a distância que mantivera no passado em relação à política).
O Banif também era muito vulnerável às pressões governamentais, dada a sua precária situação financeira.
Pode pois dizer-se que, com a nacionalização do BPN, o primeiro-ministro passou a 'controlar' boa parte da banca portuguesa: controlo directo da Caixa e do BPN, ascendente sobre o BCP, grande proximidade com o BES e neutralidade do Banif.
Só verdadeiramente o BPI, liderado pelo irreverente Fernando Ulrich, escapava ao controlo do Governo socialista.
E, mesmo assim, Sócrates namorou o chaiman daquele banco, Artur Santos Silva, convidando-o para elevados cargos.
Vejamos, agora, o sector dos media.
Sócrates controlava directamente o grupo RTP, que é do Estado (e do qual faz parte a RDP).
Tinha também bastante influência na Controlinvest, mercê das dívidas deste grupo à banca, sendo do domínio público os telefonemas cúmplices entre José Sócrates e Joaquim Oliveira.
E a Controlinvest inclui meios como o Diário de Notícias, o Jornal de Notícias, a Máxima e a TSF.
Sócrates mantinha também relações estreitas com a Ongoing, de Nuno Vasconcellos e Rafael Mora, detentora do Diário Económico.
Entretanto, através da PT, o Governo montou uma operação para comprar o grupo TVI, mandando um emissário a Espanha (Rui Pedro Soares) para tratar do negócio.
Este grupo, além da TVI, detém meios como a Lux e a Rádio Comercial.
Só fugiam ao controlo do Governo o grupo Impresa, liderado por Balsemão, e o grupo Cofina, de Paulo Fernandes.
Mesmo assim, ainda houve uma tentativa de assalto à Impresa por parte da Ongoing.
Quanto à Cofina, o Governo conhecia bem a vocação 'negociante' de Paulo Fernandes e nunca recearia muitos males vindos daí.
Finalmente, José Sócrates fez uma tentativa para fechar o SOL – através precisamente do BCP, que era accionista do jornal.
O SOL era um David ao pé de vários Golias, mas irritaria Sócrates precisamente por ser um dos poucos media que ele não controlava.
E – recorde-se – foi este jornal que denunciou o caso Freeport, o caso Face Oculta (compra da TVI e tentativa de controlo de outros media) e o caso Tagusparque (apoio eleitoral de Luís Figo).
Fica claro, portanto, que houve um momento em que José Sócrates esteve mesmo à beira de dominar ou ter o apoio de importantes meios de três sectores nevrálgicos:
– Banca, com a CGD, o BPN, o BCP e o BES;
– Comunicação social, com a RTP, a RDP, o DN, a TSF, o JN e a tentativa de compra da TVI ;
– Poder político, através do domínio da máquina do Governo e do aparelho do partido, onde não se ouvia uma única voz dissonante.
Só hoje, quando olhamos para essa época, percebemos até que ponto estivemos à beira do abismo.
Como foi possível permitir que se concentrasse tanto poder nas mãos de um homem psicologicamente tão instável?
E como foi possível derrubá-lo?
O que derrotou Sócrates, primeiro, foram as contas públicas – que, contrariamente aos outros sectores, ele se revelou incapaz de controlar.
Tentou até à última esticar a corda e evitar um Resgate, mas a corda acabou por partir – e isso foi a sua primeira grande derrota.
Depois foi a derrota eleitoral.
E esta constitui uma homenagem à democracia.
A democracia mostrou a sua força ao conseguir apear um homem que, à escala do país, acumulou um enorme poder 'de facto'.
Ele julgar-se-ia quase invencível, mas as urnas derrubaram-no.
Por isso, é muito natural que, embora afirme o contrário, hoje odeie a democracia.
P.S. – Numa entrevista publicada no fim-de-semana, Sócrates mostrou por que lhe tenho chamado 'o Vale e Azevedo da política'. Com uma diferença: Vale e Azevedo é mais educado.

Arrumações

Um dos grandes mistérios da situação portuguesa é que inúmeros dirigentes e intelectuais antecipam e incitam à revolta e ao tumulto social enquanto o País permanece sereno e ordeiro. Ambos os factos são estranhos. Como os analistas mostram razões ponderosas, o povo deve saber algo que eles ignoram. (ler aqui)
_________________________________________________________________________________

O Povo esteve em arrumações este fim de semana.
No menu horizontal sob o título Aforismos comecei a organizar as frases do dia por tema e também por autor. É uma tarefa grande, por isso, está apenas iniciada. Agradeço comentários e sugestões.
Também na Rubrica Directo ao Assunto II juntei mais 10 homilias do cónego João Seabra:


One of us - Situação por país

A três dias do fim do prazo, e com muitas fichas por introduzir no site havia mais de uma milhão e meio de subscritores da iniciativa de cidadãos One of us.
Em Portugal foram recolhidas três vezes mais do que as assinaturas necessárias. E continua a actualização até 31 de Outubro
Country
Total signatures collected per country
Minimum necessary
Percentage achieved
(at) Austria
31.973
14.250
224,37%
(be) Belgium
4.700
16.500
28,48%
(bg) Bulgaria
981
13.500
7,27%
(cy) Cyprus
3.375
4.500
75,00%
(cz) Czech Republic
11.720
16.500
71,03%
(de) Germany
151.733
74.250
204,35%
(dk) Denmark
7.312
9.750
74,99%
(ee) Estonia
4.037
4.500
89,71%
(el) Greece
16.519
16.500
100,12%
(es) Spain
100.038
40.500
247,01%
(fi) Finland
1.194
9.750
12,25%
(fr) France
97.919
55.500
176,43%
(hr) Croatia
10.403
9.000
115,59%
(hu) Hungary
50.515
16.500
306,15%
(ie) Ireland
6.804
9.000
75,60%
(it) Italy
524.318
54.750
957,66%
(lt) Lithuania
11.769
9.000
130,77%
(lu) Luxembourg
5.140
4.500
114,22%
(lv) Latvia
6.979
6.750
103,39%
(mt) Malta
18.551
4.500
412,24%
(nl) Netherlands
26.615
19.500
136,49%
(pl) Poland
216.878
38.250
567,00%
(pt) Portugal
49.606
16.500
300,64%
(ro) Romania
121.267
24.750
489,97%
(se) Sweden
2.546
15.000
16,97%
(si) Slovenia
2.621
6.000
43,68%
(sk) Slovakia
31.205
9.750
320,05%
(uk) United Kingdom
17.558
54.750
32,07%
Total                                 1 534 276