Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2015

A honra, não a glória

Imagem
José Luís Nunes Martins
ionline 2015.0.31

A nossa existência é toda ela um conjunto enorme de surpresas, importa muito ter a capacidade de compreender que vivemos num mundo que nada nos deve…  A minha honra não depende da opinião dos outros. É uma qualidade pessoal que me diz respeito apenas a mim. Funda-se nas minhas ações e apenas delas depende. Posso honrar alguém, mas não posso contribuir para a sua honra, senão através do meu exemplo.

O mérito que resulta do exercício das virtudes (e dos deveres) não é algo que obtenha sempre a estima ou a admiração alheias, muitas vezes o resultado é mesmo o oposto: indiferença e desprezo. Poucos se dão bem com quem faz o que eles não fazem, mas deviam.

Quem espera o reconhecimento da multidão vive num plano onde nada é o que parece, nem mesmo a admiração. Para a multidão, hoje, as aparências valem muito mais do que a verdade.

Por vezes, em contexto formal, referimo-nos a outros utilizando a fórmula Vossa Excelência, no entanto, a maioria de nós …

Eu coelha me confesso

Imagem
Inês Teotónio Pereira, ionline, 2015.01.31

Foi preciso o Papa falar de coelhos para que todos percebessem que estavam errados... Bastou uma frase e um estilo diferente Esta crónica está atrasada uma semana: esta semana já ninguém fala de revoluções na Igreja motivadas pelas declarações do Papa nas Filipinas. Mas a culpa não é minha, o concerto da Violetta foi a semana passada e não controlei o impulso de escrever sobre o fenómeno. Posto isto, passemos ao Papa. Disse o Papa: "Alguns pensam, e desculpem o termo, que para sermos bons católicos temos de ser como coelhos. Mas não." Esta declaração, e a utilização desta linguagem, foi notícia em todo o mundo. E foi notícia por duas razões: a primeira, porque ninguém sabia que a Igreja considera irrelevante o número de filhos das suas ovelhas e que a quantidade não diz nada sobre a qualidade de um católico; a segunda razão, porque se adivinhou que vinha daí uma viragem dos princípios e que agora, com o Papa Francisco, os preservati…

Anjo da guarda

31 de Janeiro - S. João Bosco

Imagem
S. João Bosco (1815 Becchi -1888 Turim)

Blasfémia

observador, 2015.01.31 Impor, pela força, uma fé religiosa, ou negar a vida ou a liberdade a quem a não tem é, também, blasfemar. É crucificar de novo quem, tido por blasfemo, deu a vida pela liberdade de todos os homens.
A blasfémia está na moda mas, infelizmente, pelos piores motivos. Há quem defenda, em nome da liberdade de expressão, o direito à blasfémia e há quem entenda, pelo contrário, que são criminosos não só os que matam inocentes, mas também os que ofendem o santo nome de Deus. Mas, seria razoável criminalizar a blasfémia? Alguns crentes, nomeadamente muçulmanos, acham que sim. E os cristãos? No Catecismo da Igreja Católica (CIC) diz-se que a blasfémia "consiste em proferir contra Deus – interior ou exteriormente – palavras de ódio, de censura, de desafio; dizer mal de Deus, (…) abusar do nome d'Ele". E que "a proibição da blasfémia estende-se às palavras contra a Igreja de Cristo, contra os santos, contra as coisas sagr…

Recomeçar

«Ministro da Cultura» do Vaticano defende presença da Igreja na internet, mas alerta para riscos de comunicação sem rosto

Agência Ecclesia,  30 de Janeiro de 2015, às 09:57Lisboa, 30 jan 2015 (Ecclesia) – O presidente do Conselho Pontifício da Cultura (Santa Sé), que recebe hoje o doutoramento «honoris causa» da Universidade Católica, afirmou esta quinta-feira em Lisboa que a Igreja Católica tem de se apresentar com a sua mensagem na internet.  "Temos de comunicar a raiz da nossa fé. E a raiz da nossa fé é, sem dúvida, a palavra, a Bíblia. Até porque a Bíblia tem em si um extraordinário potencial cultural e não apenas religioso", começou por explicar o cardeal Gianfranco Ravasi, no auditório Cardeal Medeiros, durante conferência 'Parábolas mediáticas e parábolas evangélicas – Comunicar a fé no tempo da internet'. O 'ministro da Cultura' do Vaticano admitiu que este é um "tema complexo, difícil" mas "fundamental" para a cultura, a teologia e a religião, em geral. "Num mundo que tende cada vez mais a ser virtual, temos de recuperar o encontro, o diálogo, a…

“Tenho, muito orgulho em ser professor à 10 anos”

Amizade