Doença. Marcelo defende criação de estatuto de cuidador informal

OBSERVADOR       17.06.17

O Presidente da República defendeu a criação do estatuto do cuidador informal. "Não pode haver cálculos políticos, ou partidários, ou outros quando está em causa uma causa destas", disse.

O Presidente da República (PR) defendeu este sábado a criação do estatuto do cuidador informal e disse “fazer tudo o que puder” para sensibilizar todos para uma causa justa em relação à qual “não pode haver cálculos políticos ou partidários”.
“Não pode haver cálculos políticos, ou partidários, ou outros quando está em causa uma causa destas. Está noutro nível e nem é nacional. É um nível de dignidade humana”, frisou Marcelo Rebelo de Sousa no Porto, no 2º Encontro Nacional de Cuidadores Informais de Pessoas com Doença de Alzheimer e outras Demências, uma iniciativa apoiada pela eurodeputada do BE Marisa Matias, que é também vice-presidente da Alzheimer Europe, relatora da Estratégia Europeia de Combate ao Alzheimer e uma das defensoras da criação de um estatuto jurídico-legal dos cuidadores informais em Portugal.
Para o PR, é preciso que o país reconheça que a rede de cuidados continuados é insuficiente e não dispensa “a presença constante” dos cuidadores informais, pelo que “há que reconhecer o seu estatuto legalmente”.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos

Gomes-Pedro: “A mãe não precisa de descansar e dormir, precisa é de namorar com o seu bebé”